Escolha uma Página
Compartilhe essa newsletter

News of the week

Os acontecimentos mais importantes do mundo de inovação diretamente para você.

Porque se dirige pela esquerda na Inglaterra? A origem disso remonta à era medieval, quando a circulação a cavalo se dava pela esquerda para deixar a mão direita livre para manusear a espada e lutar. Em 1300, o papa Bonifácio “CET” VIII determinou que todos os peregrinos com destino a Roma deveriam se manter no lado esquerdo da estrada para organizar o fluxo. Esse sistema prevaleceu até o século XVIII quando um baixinho influente chamado Napoleão resolveu inverter tudo. Ele era canhoto. Os EUA, ansiosos para se desfazerem da herança cultural dos antigos colonizadores, adotaram o lado direito. Com o domínio mundial da indústria automobilística americana, o modelo napoleônico tornou-se padrão em quase todo o planeta.

News of the week

Os acontecimentos mais importantes da semana.

 

Spot Launch

A Boston Dynamics colocou a venda as primeiras 20 unidades do seu cão robô, que é assustadoramente parecido com o retratado em Black Mirror. Ele deve ser utilizado como suporte em construções. Quanto custa? “O preço de um carro.” Se a foto despertou sua curiosidade, recomendo ver esse vídeo: Spot. E se você ficou realmente interessado, vou de dar o link de mais um vídeo que eles soltaram semana passada. Essa é a versão humana do robô deles, o Atlas, que já está parecendo a Daiane dos Santos.

Tok&Stok abre espaços de coworking

A matemática é simples: Loja da Tok Stok + Wifi rápida = Coworking. O nome desse projeto é Kwork e estará em 34 lojas pelo país. Mais um detalhe: É de graça. Consumidor Moderno

Trends to watch.

De olho nas tendências mundo afora.

 

Long Term Stock Exchange

Alguns meses atrás, a SEC aprovou a LTSE como 14ª bolsa de valores do EUA. Ela é liderada pelo Eric Ries, autor de uma das bíblias dos empreendedores (The Lean Startup). Sua tese é de que as companhias listadas são pressionadas por temas de curto prazo: Superar projeções trimestrais de Wall Street, corte de custos em P&D, daytraders, entre outros. E normalmente a bonificação dos executivos está atrelada a performance da ação, pressionando ainda mais a companhia. Isso impede a empresa a ter um planejamento mais de longo prazo, algo essencial para lidar com as cada vez mais aceleradas disrupções do mundo digital.

No universo da LTSE, a ideia é que quanto mais tempo o investidor segure a ação, mais poder de voto ele ganha na empresa. As empresas também vão ter que realizar maiores aberturas sobre o seu roadmap de produtos e seus executivos deverão ter pacotes de compensações que reflitam o foco no longo prazo, via longos períodos de vesting da ação. Maiores padrões de governança relacionados à sustentabilidade, diversidade e responsabilidade com a comunidade local também será algo abordado pela LTSE.

Em contraposição da tese de Eric, há o argumento de que hoje estamos no nível da bolha dotcom de empresas não lucrativas realizando IPO (mais de 80%), como mostra o gráfico acima. Isso necessariamente mostra uma visão de longo prazo do mercado em relação aos ativos. Também há criticas em relação ao modelo proposto, pois quando os investidores de longo prazo forem vender suas ações, o valor que eles ganharam no tempo em forma de maior poder de voto não será capturado na venda, pois o novo investidor não terá esse benefício. Isso também irá contribuir para a maior concentração de poder nas mãos dos fundadores e primeiros investidores.

Cerca de 2 meses atrás, a LTSE captou US$ 50 milhões de investidores como Andreessen Horowitz e Founders Fund. Mas a sua missão não é nada fácil. Imagina tentar convencer uma empresa a arriscar um dos momentos mais delicados de sua vida em uma bolsa não testada. E eu diria que seus concorrentes também já estão de tamanho médio para grande: A NYSE têm US$ 28 Trilhões e a Nasdaq têm US$ 10 Trilhões.

O Eric têm uma dificuldade dupla. De um lado precisa convencer as empresas a se listarem na LTSE e do outro lado precisa convencer investidores a usarem a bolsa dele para investir. Segundo ele, já possuem mais de US$ 3 Trilhões em investidores que se dizem apoiadores do projeto e a LTSE incentiva as empresas a se listarem em mais de um bolsa, para não correrem o risco da nova no pedaço.

Deep dive

Uma seleção de artigos e reportagens interessantes.

 

Which Universities Have the Richest Graduates?

A linha de corte para ser considerado um Ultra High Net Worth (UHNW) é de US$ 30 milhões. Esse estudo avaliou as 25 faculdades do mundo que mais produzem esse tipo de Alumni. Harvard se destaca de longe, com 13.650 UHNW Alumni que acumulam uma fortuna total de US$ 4.7T. Isso, T é de Trilhões. Basicamente, 2,5 vezes o PIB do Brasil. Em segundo lugar está Stanford. Apesar de uma fortuna total “mais modesta”, de US$ 2.9T, ela foi acumulada por cerca de 5.580 Alumni, o que da a maior média por pessoa da amostra: US$ 519MM.

Das 25, 20 são norte-americanas e apenas 1 é asiática (NU Singapure). As outras são: Cambridge, INSEAD, Oxford e LSE. Visual Capitalist

As leis bizarras da Alerj são a pá de cal no Rio de Janeiro

Marcos Lisboa costuma dizer em suas palestras que o Brasil não está quebrado à toa. “Foi preciso muito esforço, muita vontade para arrebentar com o País.” E a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro ilustra muito bem esse esforço. Tudo que parece “uma boa ideia” vira projeto de lei, sem nenhuma consideração pelo impacto de fato daquilo na sociedade.

Tornar obrigatório ter um professor de educação física em academias de condomínios, provocou o fechamento de muitos desses espaços, estimulando o sedentarismo. Outro projeto de lei obriga hospitais com internação pediátrica a terem brinquedotecas em suas dependências, que sejam geridas por um profissional “brinquedista”. Como se o RJ estivesse com dinheiro de saúde sobrando. Temos também a importante PL que define o dia 17 de junho como o “Dia do Designer de sobrancelhas”. Outra obriga supermercados a disponibilizar lupas nas gôndolas para facilitar a leitura de letras miúdas nas embalagens. E não poderia deixar de falar da lei que originou a essencial placa em elevadores que alerta os passageiros para verificar “se este se encontra parado naquele andar.”

Desse jeito, bate até saudades do Rinoceronte Cacareco e do Macaco Tião. Brazil Journal

When you create technology that changes the world, you have to accept some responsibility to address the world you have created.

 

Brad Smith

© Copyright 2018
Todos os direitos reservados por A5 Capital Partners


Compartilhe essa newsletter