Escolha uma Página
Compartilhe essa newsletter

News of the week

Os acontecimentos mais importantes do mundo de inovação diretamente para você.

A Estônia tem sofrido com um aumento nas fatalidades no trânsito nos últimos anos. Um dos culpados é o excesso de velocidade dos motoristas. Por isso, alguns meses atrás começaram com um novo sistema de punição. Se você é pego dirigindo acima do limite de velocidade, terá duas escolhas. A primeira é pagar a multa e a segunda é “ficar de castigo” junto com os policiais entre 45 e 60 minutos, dependendo de quão acima da velocidade você estava. Uma lição de moral de que dirigir acima da velocidade, não te faz chegar ao destino mais rápido.

News of the week

Os acontecimentos mais importantes da semana.

 

AgroTools Brand Connections

Sexta passada a A5 participou de um evento promovido pela AgroTools e a Microsoft lá no escritório da empresa do Bill. A AgroTools nem precisa de introdução mas pra quem não sabe a Microsoft é uma empresa de…brincadeira. A AgroTools é a maior AgTech da América Latina. É acima de tudo uma empresa de dados. Ela monitora uma área maior que países como França, Itália, Alemanha e Dinamarca juntos. São mais de mil camadas e 150 Terabytes de informações. Em um mundo onde Data is the new oil, seus clientes vão desde o Itaú querendo maiores infos para concessão de crédito, até o McDonald’s global utilizando o seu sistema de inteligência para evitar o fornecimento de matérias-primas de áreas no Brasil que sofreram desmatamento recente.

E foi nesse último cliente que parte do evento se baseou. O McDonald’s mandou o seu time global, incluindo o VP Keith Kenny. Eles contaram para o público sobre a sua meta de eliminar o desmatamento por completo de toda a sua Supply Chain no mundo até 2030. E eu estou falando por completo mesmo. Nem mesmo o milho que é usado na ração do frango que vai virar um nugget escapa dessa. Algo mega complexo que levou o Mcdonald’s a se aliar a um especialista no assunto. E quem diria que seria uma empresa brasileira. AgroTools dando um baita exemplo de como o Brasil pode ser referência global em tecnologia também!

Também tivemos a participação da Tânia Cosentino, General Manager da Microsoft, que contou um pouco do revolucionário impacto do advento da nuvem, que permitiu trazer capacidade computacional e de armazenamento para as empresas, permitindo-as inovar sem precisar investir em infraestrutura. Algo essencial na construção da AgroTools e uma verdadeira democratização da tecnologia!

Trends to watch.

De olho nas tendências mundo afora.

 

Lilium

Mês passado eu vi uma palestra no palco principal do Web Summit que sinceramente eu só consegui digerir pra contar para vocês agora. Começou com o David Wallerstein, CXO da Tencent. Ele é o responsável na Tencent por pensar nos maiores desafios da humanidade e como as empresas vão atacar esses problemas. Ele comentou sobre duas tendências que está de olho. A primeira é a urbanização, que deve levar um adicional de 2 bilhões de pessoas para as cidades. A segunda é o contínuo gasto em construções de estradas, que é o maior gasto global em infraestrutura. Junte essas duas tendências e você resulta em…trânsito!

Por isso, na cabeça do David a nova infraestrutura terá que ser aérea e elétrica. Passou então o microfone para o Daniel Wiegand, CEO e fundador da Lilium. Eles construiram esse avião ai da foto. Vamos a algumas de suas características: Espaço para até 5 pessoas; Velocidade máxima de 300km/h; Autonomia de 300km; Segue os mesmos padrões de segurança da Boeing, ou melhor, da Airbus; Emite um barulho similar ao de um caminhão; e é 18x mais barato que um helicóptero, chegando ao mesmo preço de um táxi comum. Vai todo mundo virar piloto então? Não, ele é controlado no chão como um drone e eventualmente pode se tornar autônomo.

Mais do que conforto e velocidade, esse tipo de transporte permite aumentar o raio de vida das pessoas. Ou seja, você pode morar no interior a 150Km de distância de uma cidade e levar os mesmos 30 minutos para chegar ao trabalho. Também permite conectar regiões em países em desenvolvimento, isoladas por uma falta de estradas. Agora vão poder se conectar por meio de um simples espaço para pouso e bateria para recarga.

A empresa recebeu um pouco mais de US$ 100 milhões de funding da própria Tencent e de fundos como o Atomico, uma das maiores referências na Europa. Contam com 400 pessoas trabalhando na empresa e o primeiro voo bem sucedido já foi realizado. Esperam colocar em serviço comercial já em 2025. Como de praxe, pedi para gravarem um vídeo do voo para mostrar para vocês.

Deep dive

Uma seleção de artigos e reportagens interessantes.

 

The Glamorous Life of a Pro Gamer

Uma casa de US$ 15 milhões de dólares. Um Rolls Royce novinho na porta. E toda uma equipe pronta para te atender, que vai desde chefs preparando todas as suas refeições até personal trainers para te ajudar nos treinos. Essa é a vida um novo tipo de atleta criado pela tecnologia. O atleta de jogos de vídeos games. E esse é um assunto bem sério.

Em uma recente carta aos investidores, Reed Hastings, CEO da Netflix, se diz mais amedrontado pela concorrência do Fortnite do que dos demais serviços de streaming. Esse é um jogo que tem 250 milhões de jogadores, incluindo até a Ana Maria Braga, que bombou no twitter ao revelar isso na semana passada. E estudos mostram que 70% desses jogadores fazem compras dentro do jogo, com um ticket médio de 85 dólares. Isso fez a empresa dona do Fortnite faturar 3 bilhões de dólares em 2018. O Tyler “Ninja” Blevins, um conhecido jogador de Fortnite com mais de 22 milhões de inscritos no youtube, fatura mais de 500 mil dólares por mês apenas fazendo streaming das suas partidas.

E esse é apenas um dos jogos. A audiência dos e-sports já soma quase meio bilhão de pessoas, um número que praticamente dobrou em apenas 4 anos. Isso é mais de 2x a audiência da NFL e NBA juntas! O prêmio para o vencedor de grandes competições já alcança cifras na casa de US$ 25 milhões, mais que o dobro que o maior prêmio do golf mundial, o US Open. Existe inclusive uma enorme pressão para se tornar um esporte olímpico, mas aí talvez seja um pouco violento demais… Bloomberg

In old-school business logic, the big eats the small. In the modern day, the fast eats the slow.

 

Steve Easterbrook, CEO do McDonald’s

© Copyright 2018
Todos os direitos reservados por A5 Capital Partners


Compartilhe essa newsletter